DeMaria Softare
Softwares para cartórios

Dados da internet brasileira

Data de Publicação: 07 jul 2003

Apesar dos altos índices de exclusão digital que atingem grande parte das camadas de baixa renda, o Brasil tem do que se orgulhar no que diz respeito à boa penetração da internet nas camadas A e B da população. Segundo Fábia Juliasz, diretora executiva do Ibope eRatings, cerca de 20 milhões de brasileiros estão conectados à rede e utilizam a web de maneira intensa todos os dias.

“Durante cerca de 11 horas mensais estes profissionais, estudantes e empreendedores se conectam ao ambiente online para fazer as coisas mais diversas e sofisticadas: buscar informações, consultar suas contas bancárias, entregar seu imposto de renda e baixar músicas. Observamos o mesmo tipo de uso, com tempos semelhantes, em países como EUA e Itália”, destaca Fábia.

A qualidade dos sites brasileiros também tem deixado satisfeito o público exigente usuário da web, já acostumado a conviver com o que há de melhor no mundo virtual. Isso faz com que o Brasil seja o único país além dos Estados Unidos a ter portais locais e não norte-americanos como os líderes de audiência, algo comum nos países da Europa e Ásia. Outra explicação para a predominância dos “players” locais, segundo a diretora do Ibope, pode ser atribuída à valorização dos brasileiros e dos povos latinos em geral de sua cultura local, assim como a fidelização das marcas que consome offline.

A grande diferença em relação aos países mais desenvolvidos fica mesmo por conta da abrangência da web. Segundo a diretora do Ibope a internet brasileira ainda está restrita aos meios de maior renda e é diretamente afetada pelo desempenho da economia e do nível de emprego. “Se por um lado estamos falando de um público absolutamente qualificado e sofisticado, por outro ainda temos uma penetração baixa em relação aos países desenvolvidos”, diz.

Fábia prevê que tal quadro poderá ser modificado rapidamente com iniciativas governamentais de inclusão digital e também com a criação de políticas de acesso. Esforços de digitalização da sociedade e de promoção cultural por meios online traria a médio prazo uma popularização benéfica da internet, incentivando até mesmo consumidores de média e baixa renda para o ambiente interativo. “Mais importante que isto, no longo prazo, o meio online viabilizará programas educativos que terminarão por contribuir com a formação de uma nova sociedade mais homogênea e competitiva”, assinala.

Para o futuro, a diretora do Ibope também destaca a importância do crescimento da web de alta velocidade. “O acesso em banda larga traz uma experiência mais gratificante com o meio já que o internauta é capaz de fazer mais coisas em menos tempo e, ao contrário do que se imagina, acaba permanecendo mais tempo online do que quando tem uma linha discada, dial-up. A internet em banda larga também modificará os formatos de publicidade online aproximando-os ao formato hoje apresentados na TV impulsionando assim, o processo de convergência de mídias, o que terminará por influenciar positivamente o bolo publicitário, principal fonte de receita dos portais brasileiros”, conclui.

São Paulo, 30/06/2003

Fonte: Ultimo Segundo – IG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.