DeMaria Softare
Softwares para cartórios

Documento Digital

Data de Publicação: 17 fev 2005

Uma novidade da declaração do Imposto de Renda é que, a partir deste ano, a Receita Federal vai aceitar declarações feitas com o CPF eletrônico. Quem usar a novidade vai receber primeiro a restituição, mas também vai ter que pagar pelo documento digital.

No cartório, as filas de sempre e muitos papéis. No andar de cima, poucos funcionários. Os computadores fazem o trabalho. Escrituras, autenticações, reconhecimentos de firma. Tudo feito à distância.

“Qualquer lugar que você tiver, você pode mandar um documento que ele vai ser autenticado”, diz a tabeliã Kátia Leonardo.

Isso graças à certificação digital. Uma tecnologia possível para qualquer brasileiro que tenha um CPF eletrônico ou e-CPF.

“Isso aqui tem a mesma validade jurídica de um passaporte, de uma carteira de identidade. Isso é minha identidade eletrônica”, conta o analista de sistemas Murilo Machado Taranto.

O dispositivo é uma chave de acesso que pode ser plugada em qualquer computador. O CPF eletrônico também pode ser um cartão com um chip, mas a novidade não é barata, como explica o diretor de informática Jean Pierre Verneuil. “Hoje o cidadão comum pagaria entre cem e quatrocentos reais para ter um certificado digital, com validade jurídica, dentro das normas estabelecidas pelo governo federal”.

O governo federal já credenciou treze empresas no país para emitir o documento e pela primeira vez, vai aceitá-lo para receber as declarações do Imposto de Renda. Além de ter prioridade no pagamento da restituição, o contribuinte com CPF eletrônico pode acompanhar pela internet o processamento dos dados.

“Por exemplo, ele vai poder acompanhar que sua declaração caiu em malha, ele vai poder identificar qual o problema da sua declaração na malha e, da sua casa, poder corrigir o problema.”

Mesmo com tão pouco tempo de intimidade com os documentos digitais, os usuários já descobriram suas vantagens, mas popularizar essa tecnologia depende de preço e o caminho para superar este obstáculo pode passar pelo sistema bancário. A federação dos bancos já assinou um protocolo de intenções prometendo oferecer aos correntistas o CPF eletrônico.

Fonte: Jornal da Globo – jg.globo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.