DeMaria Softare
Softwares para cartórios

Homôninos: Justiça tenta desvendar mistério

Data de Publicação: 27 abr 2004

Pintor de Jacareí e segurança do Guarujá têm a mesma certidão de nascimento, os mesmos pais, mas só descobriram aos 31 anos de idade

A Justiça de Jacareí aguarda o resultado de um exame de DNA para desfazer uma confusão de 31 anos atrás.

Júlio César Afonso nasceu em Santos no dia 2 de maio de 1972 e é filho de Laurival Afonso e Margarida Ribeiro Afonso. Ele é segurança e mora no Guarujá, Litoral Sul.

Já Júlio César Afonso também nasceu em Santos no dia 2 de maio de 1972 e tem como pais Laurival Afonso e Margarida Ribeiro Afonso. Só que este é pintor e mora em Jacareí.

Os dois homens têm a mesma certidão de nascimento e o restante dos documentos idênticos –RG, CPF e até o título de eleitor.

Toda essa confusão, que a Justiça quer esclarecer, só foi descoberta quando um deles foi chamado ao Cartório de Registro Civil, meses após se casar, e comunicado que uma outra certidão de casamento já havia sido emitida em seu nome.

O segurança, que mora no Guarujá, casou-se em dezembro de 2002. Meses depois, ele foi comunicado pelo cartório que outro homem havia se casado em 97, em Jacareí, usando os mesmos nome e documentos. O cartório lhe deu uma cópia da certidão desse casamento.

Em abril de 2003, o segurança foi até o 3º DP (Distrito Policial) de Jacareí com cópia das duas certidões de casamento, a sua e a do homônimo, para registrar Boletim de Ocorrência por falsa identidade.

A Polícia Civil localizou em Jacareí o pintor Júlio César, que foi surpreendido ao ser comunicado que outra pessoa era portadora dos seus documentos.

“A minha sorte é que o outro Júlio também é honesto. Se ele fosse procurado pela polícia, eu já estaria preso. Faz mais de um ano que eu estou tentando provar que os meus documentos são meus”, afirmou o Júlio César que mora em Jacareí.

Por causa da duplicidade de documentos, o CPF foi cancelado. Até as eleições de 2000, um teria votado em Santos e o outro, em Jacareí.

“Só que nas últimas eleições eu fui votar e me informaram que o meu título estava em Santos. Saí de um emprego porque consegui outro melhor, mas não pude ser contratado porque os meus documentos estão com esse problema”, afirmou o Júlio de Jacareí.

Ele contou que foi criado pelos pais cujos nomes constam na Certidão de Nascimento. Já o Júlio César que reside no Litoral Sul disse que não conheceu os pais biológicos e que foi criado por um mulher chamada Maria dos Santos –que faleceu há cinco anos.

“Os meus pais confirmaram que sou filho deles e disseram para o outro que não o conhecem. Preciso resolver essa situação logo. Não posso ficar esperando muito tempo o resultado do exame de DNA. A minha vida está parada. Eu não posso abrir conta em banco ou crediário e não consegui tirar a Carteira de Habilitação porque já existe uma em meu nome”, disse o Júlio César que mora em Jacareí.

Os dois se conheceram quando o Júlio do Guarujá veio a jacareí registrar o BO.

No processo, consta laudo do IIRGD (Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt), responsável pela emissão de documentos de identidade, confirmando que os dois RGs são verdadeiros mas que as impressões digitais são de pessoas diferentes.

Como o IIRGD não esclareceu quem realmente é o legítimo dono dos documentos e como teria ocorrido a duplicidade, o Ministério Público solicitou que fosse realizado o exame de DNA. Laurival, Margarida e os dois ‘Júlio César’ coletaram amostras de sangue no último dia 2. O resultado deverá ficar pronto em dois meses.

Fonte: Jornal ValeParaibano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.