DeMaria Softare
Softwares para cartórios

Rede Livre dá dor-de-cabeça aos internautas

Data de Publicação: 05 jun 2002

SÃO PAULO – Os leitores de INFO têm mandado e-mails para a revista para reclamar de problemas com o provedor Rede Livre, que prometia conexão por tempo ilimitado à web por 38 reais mensais e sem custo na conta telefônica. INFO tentou ligar e enviou mensagens por dois dias consecutivos para o provedor, sem conseguir qualquer retorno ou resposta e, hoje (dia 5), ninguém mais atende ao telefone na empresa.

Há duas semanas, o provedor teve seu link com a Embratel cortado, deixando os usuários sem acesso. Ainda na semana passada, o provedor já entrou com outra operadora, a Intelig, para prover o acesso. Mas, apesar de não ter mais link da Embratel, até ontem, dia 4, ainda oferecia um discador com a opção de conectar pelas duas operadoras.

O Rede Livre entrou no ar em novembro de 2001 oferecendo acesso via 0800 pela Telemar. Em abril deste ano, entrou na justiça com duas medidas cautelares e uma ação ordinária contra a operadora por “não cumprimento do contrato e pela falta de qualidade nos serviços de telecomunicações”, e também entregou duas reclamações administrativas à Anatel sobre a Telemar.

Agora, com a Embratel, a história parece se repetir: o provedor já entrou com duas ações contra a operadora.

A Embratel esclarece que cancelou o link simplesmente por falta de pagamento (a mesma medida, pelo mesmo motivo, tomada pela Telemar). O contrato entre o Rede Livre e a operadora incluía três milhões de conexões por mês por um número 078, sem tarifação telefônica, mas, em abril e agora em maio, o provedor andou divulgando (inclusive em pop-ups em seu portal) que já tinha atingido a marca de, respectivamente, 39 milhões e 87 milhões de conexões/mês. Tudo isso, alega a Embratel, sem aumentar o número de usuários – ou seja, a receita da operadora continuava a mesma, apesar do uso ser 2,9 mil vezes maior do que o contratado.

Segundo a Embratel, sua rede corria o risco de um colapso – que iria prejudicar toda a telefonia nacional, na sua opinião – por causa deste aumento não previsto no uso. A operadora teria que fazer sérios investimentos para ampliar a rede para comportar o volume vindo da Rede Livre sem, no entanto, levar nada em troca.

Neste caso, pelo menos, a Justiça anda do lado da Embratel: o juiz que analisou o primeiro processo aberto pelo Rede Livre decidiu que só mandaria a Embratel reconectar o link se o provedor pagasse à operadora o que devia pelo uso muito além do contratado. O provedor não desistiu e entrou com outra ação para obrigar a operadora a devolver o link – mas, às quatro horas da manhã do último dia 29, a Embratel obteve uma liminar, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que não anula esta decisão, mas garante à operadora que ela não precisará cumprir a ordem do juiz.

Resta saber o que vai acontecer agora com a Intelig, a nova parceira do Rede Livre. Os usuários, por enquanto, são os que saem perdendo na história, já que tiveram que pagar a mensalidade antes de usar o serviço e terminaram sem conexão – e sem qualquer explicação ou um mínimo pedido de desculpas por parte da empresa, segundo relataram os leitores à INFO.

Fonte: Renata Mesquita, do Plantão INFO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.